Páginas

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Versos #01

O teu cabelo escuro
Em contraste ao meu
Teu olhar tão puro
Se entregando ao meu

Os olhos fechados
Os rostos colados
Dedos cruzados
Corações acelerados

Ah! O tal do amor
Tão repentino
Um verdadeiro desatino
Que fez do pobre menino
Um alguém inerte a dor

Por me perder nos teus braços
Faço morada no teu abraço
E mesmo com os pés descalços
Sei que estou no encalço
Da tão sonhada felicidade
Que mesmo com tão pouca idade
Desacreditei em encontrar

Apesar da rima ausente
Faço da minha voz um poema insistente
De quem nasceu para te amar

Aníbal Bastos

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Quando o amor chega de repente...



                Quando o amor chega de repente, é fácil reconhecer. O medo se instaura, o coração se acelera. O estômago enche-se de falsas borboletas, as mãos suam frio. É uma mistura complexa de sentimentos: alegria, paixão, tesão, cumplicidade, dentre outros, incluindo o amor.
                Quando o amor chega de repente, a loucura nos é taxada. Porque a vontade de viver um dos extremos da emoção faz com que nos interpretem como aqueles privados de razão? Afinal, é possível ser louco simplesmente por amar?
                Quando o amor chega de repente, nossos olhos se enchem de esperança. Nossa alma torna-se tão radiante quanto à de uma criança. Olhos brilhantes, sorrisos escancarados, bochechas ruborizadas. O simples desejo de abraçar aquele alguém e nunca mais se afastar.
                Quando o amor chega de repente, é impossível evitar. É impossível lutar.
                Quando o amor chega de repente, só nos resta uma saída: amar.