Páginas

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Esse texto não é para você

(Cena do filme "As Vantagens de Ser Invisível")

(Para quem desconhece, essa música toca no filme "P.S.: Eu te amo".)

                Esse é um texto diferente. Esse texto é para você que se considera careta, fechado (a), que pensa estar num mundo onde não deveria estar. Esse texto é para você que não vê graça em bebidas e em festas, é para você que acredita no amor altruísta, é para você que não se enxerga apenas como uma máquina de beijos e sexo. Esse texto é para você, que assim como eu, “não é bom o suficiente”. Portanto, se você se sente distante da descrição desse primeiro parágrafo, feche a página.
                Passei muito tempo tentando ser o príncipe encantado montado num cavalo branco. Tentei ser o cara perfeito e falhei. Era doloroso ouvir um “você é apenas meu amigo” e me culpar incansavelmente por ser alguém alheio ao mundo de hoje. Eu consegui me culpar por muito tempo por ser um termo à parte da sociedade, mas aos poucos fui percebendo que não havia erro algum. Nunca gostei de festas, nunca gostei de bebidas, nunca gostei dessa ideia de ter uma contagem de bocas beijadas ou corpos tocados. Não... Eu não sou assim. Eu não preciso ser assim. Nunca esperei encontrar uma princesa. Pelo contrário, sempre quis encontrar uma mulher de verdade que, assim como eu, tivesse qualidades defeitos.
Com o passar dos anos, fui descobrindo algo doloroso: vivemos num mundo egoísta. Muitos querem amar, muitos querem ser amados, mas são raras as pessoas que se dispõem a viver um amor. Vivemos no mundo onde uma festa importa mais do que estar com alguém, onde abrir mão de algo é ter sua liberdade tirada, onde competimos para ver quem menos demonstra seus sentimentos.
Amor é um bicho complexo e complicado. É uma estrada de mão-dupla onde os dois corpos precisam andar lado a lado, num compasso, dialogando, entendendo, aceitando, perdoando, buscando encontrar soluções para tudo aquilo que houver. Amar nos dias de hoje é difícil, mas não é impossível.
Esse texto é pra você, que assim como eu, já foi machucado, culpado pelos seus medos e inseguranças. E eu quero te dizer: está tudo bem, você não precisa se martirizar por isso. É normal sentir medo, é normal não gostar de festas, é normal querer alguém que se pareça com você. É normal querer viver uma história de amor como você sempre sonhou. É normal ter traumas, ter falta de confiança. É normal querer ser o “algo a mais” de alguém. E está tudo bem em ser “careta”. Você não precisa viver um amor que te force a ser quem você não é. “Nós aceitamos o amor que achamos merecer” e somos merecedores de muito mais do que nos é oferecido em festas e relacionamentos vazios e superficiais. Nós ainda podemos ter um final feliz. 

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Devaneio



                “Era uma casinha pequena de campo. A chuva caindo lá fora, você no sofá, perto da janela. O cheiro da macarronada que eu fazia inundava o ambiente, misturado ao aroma de terra molhada. Em algum momento meus olhos viraram em sua direção e lá estava aquele olhar, que tanto desejei que me fitasse, acompanhado de um sorriso – meio tímido, no canto esquerdo da boca, mas fascinante. Perguntei o motivo da risada e você, como sempre, soltou um ‘Nada...’ – daqueles que não dizem nada, mas dizem tudo ao mesmo tempo.
                Eu te faria rir com as piadas mais bobas, te faria escutar as músicas mais melosas que podem existir, te faria ler textos e mais textos sobre o amor, te faria assistir filmes de terror e te faria gargalhar com meus comentários sobre os mesmos. Eu te seguraria em meus braços, como se nunca fosse te deixar partir. E eu não deixaria você partir tão facilmente...”
Talvez o medo tenha me privado de viver alguns sonhos bobos e que talvez me fizessem ser a mais feliz das criaturas. Sinto muito. É que eu adoro tantos os seus olhos – e o resto do seu rosto também – que não suportaria correr o risco de te perder.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

No more pain, no more heartbreak.



                “Todos os dias, ao acordar, busco juntar os vários pedaços de mim. Uns dias mais, outros menos, mas sempre tentando. Levanto, ando, por vezes canto e danço, buscando novas formas de me reencontrar. Tento lutar, amar, cuidar, perdoar, me perdoar, sentir, sorrir, persistir, querendo nunca desistir. Corro contra o tempo, encontro meus tormentos. Deito. Fecho os olhos. Um alívio toma conta de mim simplesmente por saber que ali, naquele momento, ao dormir, não haverá mais dor, não haverá mais decepção.”

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Playlist "Romance"




01. Photograph – Ed Sheeran
02. Never Let Me Go – Florence + The Machine
03. Oração – A Banda Mais Bonita da Cidade
04. You and Me – You+Me
05. Be My Sin – Kathryn Dean
06. A Thousand Yers – Cristina Perri
07. Pra Você Guardei o Amor – Nando Reis
08. Love Me Like You Do – Ellie Goulding
09. Happy Together – Turtles
10. Love Is Here – Sonohra
(atualizada em 07/10/2016)

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Amor e Dor

Amor insolente
Impaciente
Persistente
Que chega na gente
Já querendo partir
Que machuca
Fere e sangra
A alma
Sem calma
O rosto acabado
O olhar marejado
O coração despedaçado
De quem um dia ousou
Ser feliz

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

"Não acredite no amor!"

Ela disse:
- Não acredite no amor.

Não foi pra mim. Eu sequer a conhecia. Eu não sabia quem ela era. Apenas a vi, do outro lado da rua, por trás de uma porta de vidro.

- Não acredite no amor!

Em momento algum, suas palavras foram proferidas a mim; mas me doeram. Foram pra mim. Talvez o acaso, o destino, qualquer outra merda dessas em que acreditamos tenha direcionado aquela frase pra mim.

- Não acredite no amor.

E martelou, martelou, insistiu, fazendo um barulho dentro de mim. Repetindo, explodindo, vociferando. A minha própria mente captando uma frase aleatória na rua para me fazer acreditar. Para acalmar o sofrimento.

- Não acredite no amor.

E então eu percebi que eu não deveria acreditar no amor.
Eu não deveria acreditar no falso amor de quem não sabe o que é amar. 

Ser Feliz




                Hoje eu chorei. Chorei feito criança, chorei emocionado, mudo, calado... Enfim, chorei das mais diversas formas possíveis. Desabei mágoas, abri minhas feridas e nelas, ao invés de jogar álcool e sentir aquele ardor infernal – como eu costumava fazer –, coloquei apenas água oxigenada. Senti o borbulhar, aquele arrepio leve, a sensação de que “vai ficar tudo bem”, de que “vai melhorar”. Senti meu coração acelerar e desacelerar como nunca sentira. Consegui enxergar um “eu” antigo novamente no espelho... E que saudade eu estava dele. Que saudade eu estava de mim.
                Hoje eu chorei. Chorei quando, em menos de dez minutos, fui chamado de “pessoa boa” por dois alguéns. Logo eu, que por tanto tempo me considerei uma pessoa ruim apenas por ouvir quem não merecia, quem nunca mereceu o meu carinho, o meu afeto, a minha amizade e o meu amor. Hoje eu sei.
                Hoje eu chorei. Chorei como há muito tempo não chorava. Chorei lavando a alma, tentando limpar o passado, tentando apagar todas as coisas ruins.
                Hoje eu chorei. E à medida que as lágrimas escorriam pelo meu rosto, eu consegui, depois de tantos anos, acreditar em mim novamente.

Eu consegui (re)acreditar em ser feliz. 

domingo, 2 de outubro de 2016

Playlist "Fim de Relacionamento"




01. Wish That You Were Here – Florence and The Machine
02. All I Need – Mat Kearney
03. Better Love – Hozier
04. Terrible Love – The National
05. Terrible Love – Birdy (cover da música acima)
06. Grenade – Bruno Mars
07. Someone Like You – Adele
08. We Both Know – Gavin Degraw ft. Colbie Caillat
09. Please Don’t Go – Joel Adams
10. If I Were a Boy - Beyoncé
11. Wish It Were You – Taylor Renee
12. Somebody To Die For – Hurts

(atualizada em 02/10/2016)