Páginas

terça-feira, 28 de julho de 2015

O Garoto Com o Coração Vazio


Música: Help - Hurts

                Era uma vez um garoto, um garoto com o coração vazio. Era um garoto que queria ser amado. De tanto desejar isso, teve dois amores. Ao fim, ficou só. Essa é a história de um garoto que tinha medo de amar, medo de ser feliz. Essa é a história de alguém que não teve um “felizes para sempre”, mas sim um “feliz por agora”.
                A história do “garoto com o coração vazio” não será vendida. Todos querem histórias de amor, mas todos fecham os olhos para as consequências de amar. Afinal, quem deseja histórias de homens e mulheres solitários? Quem deseja a história de homens e mulheres livres? Quem deseja histórias sem beijos debaixo da chuva, um encontro secreto, uma fuga para um abraço apertado, um simples beijo roubado? Todas as boas histórias são vendidas pelo amor.
                O “garoto com o coração vazio” vai permanecer vazio. Por um mês ou dois, por três anos ou mais. Quem sabe por uma vida inteira? Ele permanecerá assim até o dia em que um sorriso encontrar o dele na multidão, quando o seu coração acelerar, as suas pernas tremerem e ele, finalmente, ver que, mais uma vez, vale a pena se apaixonar, amar e desejar passar o resto da vida ao lado de alguém. Aí ele terá mudado. A sua história não mais será a de um simples “garoto com o coração vazio”. Ele passará a ser o garoto que conseguiu amar, o garoto que teve a coragem suficiente para ter seu coração preenchido com amor. 

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Carta para Você


                Faz tempo que não te vejo. Mais de um ano, sendo mais preciso. Eu pensei em fazer uma carta padrão, mas não tenho saco. Essa é uma carta pra você, o alguém que não vejo há mais de um ano, um alguém que me alegra, que me diz o que preciso ouvir, o que quero ouvir, o alguém que me compreende, que me motiva, que me excita (sem os duplos sentidos ok?), que me provoca, que me comove, me desloca da minha zona de conforto. É você o alguém de quem sinto falta. É teu o abraço que me faz rir e chorar ao mesmo tempo e até me motiva a fazer cócegas.
                Acho que a nossa amizade foi inesperada, foi surpreendente, mágica. Duas criaturas tão parecidas, tão diferentes e... Merda! Eu não consigo saber se somos mais parecidos ou diferentes. Acho que somos um ponto de equilíbrio: o explosivo e a pacifista, dois escritores, dois amantes da vida, de músicas “depressivas”, o romântico e a independente, o chorão e a risonha (a risada de hiena mais linda o mundo). Duas pessoas com humor ácido, sinceridade e que, mesmo que a verdade seja a mais cruel possível, não a omite. E nós somos assim. Danem-se os “preceitos” de amizade em que se espera ouvir aquilo que nos faz bem.
                Eu sinto a tua falta. Hoje falta um mês pro teu aniversário, faltam 24 dias para a tua volta, falta mais de um mês pra eu te ver, te abraçar e rir contigo (rir de você também porque é impossível não rir da tua lerdeza). E o mais importante: perceber, de forma concreta, como mudamos nesses seus 405 dias. Vamos sentar, comer e vamos ler aquela carta que eu te entreguei no dia 26/06/2014. Uma carta perfumada, fechada com borra de vela e que tinha algumas promessas minhas para essa infinidade de dias. Acho que cumpri boa parte das minhas promessas. Acho que eu e você mudamos muito - e pra melhor.
                Quero te propor um brinde a nossa amizade! Um brinde à amizade mais improvável e estável de todas! Um brinde ao nosso carinho, aos nossos palavrões, ao nosso amor. Quero que você volte logo!


                Com muito amor, beleza, sensualidade, elegância e saudades,
Aníbal

P.S.: Eu te amo! (Preciso ver esse filme pela milésima vez ok?)

P.S.²: Precisamos tirar uma nova foto porque estou parecendo um balão nas que temos.